Qual a importância do cNF na Nota Fiscal Eletrônica?

Adriano Cargnin

Consultor de Negócios na Migrate. Graduado em Sistemas de Informação, responsável por auxiliar os clientes quanto a utilização das emissões fiscais comercializadas pela Migrate.

0 Comments

Olá! Neste artigo vamos falar um pouco mais sobre o cNF (Código numérico que compõe a chave de acesso) da NF-e e NFC-e. Você sabe porque ele existe? E qual a sua importância na emissão destes documentos fiscais eletrônicos?

Em 2019, a SEFAZ implementou uma validação sobre este campo da NF-e e NFC-e (NT 2019.001), o qual passou a não permitir que sejam enviados números sequenciais no campo, como números em ordem (1234567890 ou 0987654321) ou até mesmo, alimentar o campo com o próprio número da Nota Fiscal.

Esta validação foi adotada em produção em 02/09/2019, e muitos documentos fiscais eletrônicos começaram a ser rejeitados, muitos deles pelo fato de ser enviado números sequenciais ou o próprio número da nota no campo (prática muito comum até então).

O procedimento adequado para alimentar o campo, é enviar um número aleatório, um cálculo ou até mesmo uma combinação de informações que geram um número que não seja fácil de identificar, pois se alguém possuir os dados de CNPJ, Número, Série, UF, Ano e Mês da emissão da nota, é possível gerar a chave de acesso a partir da utilização de um sequencial ou do próprio número da nota. É exatamente este o objetivo deste campo, ou seja, impossibilitar que uma chave de acesso seja identificada por softwares automatizados, que possam consultar as informações do documento de forma automatizada na SEFAZ. O cNF, como bem sabemos, compõem a chave de acesso de uma NF-e ou NFC-e, e por este motivo, é recomendado o uso de um valor aleatório no campo.

Muitos softwares fazem a utilização desta informação para gerar chaves de acesso aleatórias para consultar na SEFAZ. Isso acaba gerando um consumo indevido dos serviços, tanto na consulta via Web Services, quanto na consulta pelo painel via interface Web.

Como gerar um número aleatório, ou gerar um número com base nos dados da nota?

Atualmente o cNF é composto por 8 dígitos, sendo possível utilizar uma forma de gerar qualquer número aleatório com base em 8 dígitos. Também pode ser criado uma fórmula para obter um cNF aleatório.

Abaixo listamos alguns exemplos:

cNF = (MM+nNF)*nNF

Onde:

cNF –> Código numérico da NF

MM -> Mês de emissão da NF

nNF -> Número da NF

cNF = (AA+nNF)*nNF

Onde:

cNF –> Código numérico da NF

AA -> Ano da emissão da NF

nNF -> Número da NF

cNF = (nNF+nNF)*MM

Onde:

cNF –> Código numérico da NF

MM -> Mês de emissão da NF

nNF -> Número da NF

IMPORTANTE!

Lembrando que após o cálculo, deve considerar apenas 8 dígitos, não mais que isso.

A decisão de como efetuar o cálculo fica a critério de cada ERP. Se tiver integração com o InvoiCy, o mesmo já está preparado para gerar o cNF de forma correta e automática, não sendo necessário sequer o ERP enviar o campo. Caso o ERP opte por gerar o cNF, o InvoiCy assume o valor recebido na integração.

Ficou com alguma dúvida? Não deixe de nos contatar através do canal atendimento@migrate.info. Nossa equipe estará pronta para lhe orientar e levá-lo ao sucesso!

Conheça a Plataforma InvoiCy!

Mantenha o foco no seu negócio! Nós cuidamos da emissão fiscal para você! Entre em contato com nossos consultores online e solicite uma apresentação da Plataforma InvoiCy agora mesmo!

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Adriano Cargnin

Consultor de Negócios na Migrate. Graduado em Sistemas de Informação, responsável por auxiliar os clientes quanto a utilização das emissões fiscais comercializadas pela Migrate.

About the Author

Adriano Cargnin

Adriano Cargnin

Consultor de Negócios na Migrate. Graduado em Sistemas de Informação, responsável por auxiliar os clientes quanto a utilização das emissões fiscais comercializadas pela Migrate.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *