NFS-E: Entendendo o processamento síncrono e assíncrono

Rodrigo Artus

Analista de Negócios InvoiCy na Migrate. Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, é Especialista em Emissão Fiscal.

0 Comments

  1. NFS-e processamento síncrono e assíncrono

Olá! Neste artigo vamos falar sobre o processamento síncronoassíncrono do módulo NFS-e. Vamos aprender um pouco mais sobre como funcionam ambos os fluxos, quando optar entre um ou outro, qual o comportamento do InvoiCy e ainda, algumas boas práticas de integração em ambos os modelos de processamento.

Se tratando de NFS-e, muitas prefeituras trabalham de diferentes formas para processar os RPS enviados por seus contribuintes. É possível que ao emitir um RPS, uma prefeitura retorne na hora o resultado deste processamento, ou, este processamento pode ser agendado e ser retornado apenas mais tarde, sendo necessário realizar o procedimento de consulta do RPS ou do lote enviado.

O mesmo vale para a comunicação entre seu ERP e o InvoiCy. Cada empresa cadastrada na Plataforma, pode ser configurada para operar no processamento síncrono ou assíncrono. Desta forma, fica a critério do ERP optar pelo melhor método de comunicação para o seu negócio. 

No processamento síncrono, o retorno ocorre em tempo de execução, ou seja, ao enviar um RPS, você receberá na mesma conexão com o Web Service o resultado do processamento deste documento, que pode ser tanto autorizado, como uma rejeição por exemplo. Pode ocorrer da empresa estar configurada para processamento síncrono no InvoiCy, mas a prefeitura trabalhar apenas no método assíncrono. Nesse caso, quando o ERP enviar um RPS ao InvoiCy, vamos imediatamente enviá-lo para a prefeitura e retornar à você o resultado deste envio, que poderá ser “Em processamento”, caso ela trabalhe de forma assíncrona. Já se a prefeitura também trabalhar no método síncrono, seu ERP já receberá o resultado do processamento do RPS enviado, que poderá ser autorizado ou rejeitado. 

No processamento assíncrono, você receberá apenas uma confirmação de recebimento do documento e deverá efetuar uma consulta mais tarde para obter o resultado do processamento deste documento enviado. Neste caso, a prefeitura não valida o RPS na hora de seu recebimento, mas sim, a cada “X” minutos. O mesmo vale para a comunicação assíncrona entre seu ERP e o InvoiCy. Se a empresa assim estiver configurada, o ERP apenas receberá o status 105, acusando o recebimento do mesmo para posterior processamento. O InvoiCy então não enviará o RPS na hora para a prefeitura e manterá o documento em uma fila de processamento, que mais tarde, será enviado. Caberá ao ERP então, efetuar a consulta deste documento ou do lote enviado, para obter o status deste processamento quando ele ocorrer.  

Neste momento, você deve estar se questionando qual o melhor método a ser utilizado, certo? E a resposta é: Depende! Existem situações em que o método assíncrono é definitivamente o melhor método a ser utilizado, assim como também há situações em que é melhor utilizar o método síncrono. 

Uma situação onde o método assíncrono pode ser utilizado é quando a prefeitura exige que a emissão dos RPS seja sequencial, ou seja, só poderá ser autorizado o próximo documento, se o anterior estiver autorizado. Nestas situações, é comum a empresa emitir um lote de X documentos, sendo que um deles rejeita e o restante acaba sendo rejeitado em cascata pelo fato da prefeitura não aceitar o envio de novos RPS sem que todos anteriores estejam autorizados. Neste cenário, se a empresa estiver configurada para processamento assíncrono, o InvoiCy fará esta gestão dos RPS enviados, e caso algum RPS do lote rejeite, todos os demais ficarão pendentes até que o rejeitado seja corrigido e autorizado. Após autorizado, os demais que ficaram pendentes serão automaticamente enviados pelo InvoiCy à prefeitura. 

Já o modelo síncrono, é recomendado para quando a empresa realiza a emissão de um RPS por vez, ou deseja que o InvoiCy envie de imediato os RPS emitidos para a prefeitura. Neste caso, o ERP poderá enviar o RPS, já obter seu status, e de imediato tomar uma decisão com o retorno recebido. 

Síncrono ou Assíncrono, seja qual for o método escolhido, é preciso estar preparado para os retornos que podem ser recebidos na integração com o InvoiCy para o módulo NFS-e. Desta forma, compartilho com você nosso artigo contendo os códigos de retorno e suas respectivas ações a serem tomadas: Clique aqui!

Use NFS-e com a MIGRATE! Conheça a Plataforma InvoiCy!

Gostou deste conteúdo? Então veja quais municípios são atendidos pela Migrate clicando neste link.

Quer conhecer mais sobre a Plataforma InvoiCy? Veja clicando aqui. 

Rodrigo Artus

Analista de Negócios InvoiCy na Migrate. Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, é Especialista em Emissão Fiscal.

Posted in:
About the Author

Rodrigo Artus

Rodrigo Artus

Analista de Negócios InvoiCy na Migrate. Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, é Especialista em Emissão Fiscal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *